Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Riacho Fundo > Pesquisadores do IFB se unem em torno de livro de receitas e manifesto para valorização do Cerrado
Início do conteúdo da página

Pesquisadores do IFB se unem em torno de livro de receitas e manifesto para valorização do Cerrado

Criado: Segunda, 10 de Setembro de 2018, 20h11 | Publicado: Segunda, 10 de Setembro de 2018, 20h11 | Última atualização em Segunda, 10 de Setembro de 2018, 20h23 | Acessos: 1012

Sob a coordenação do curso de Alimentos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB), um grupo de 10 (dez) cozinheiros de Brasília (DF) se uniu em torno do desenvolvimento de um livro de receitas e do manifesto para valorização do Cerrado, por meio da gastronomia. Com o objetivo de contribuir para a conservação do bioma, o grupo programou uma série de iniciativas. Além de assinarem as receitas que integram o livro  "Aqui tem Cerrado no Prato", Ana Paula Jacques (IFB), André Castro (Authoral), Diego Badra (Oliver), Francisco Ansiliero (Dom Francisco), Leandro Nunes (Leo Cozinha Criativa), Leo Hamu (Leo Hamu), Lui Veronese (Sallva), Mara Alcamim (Universal Dinner), Marcos Lelis (IESB) e Simon Lau (Aquavit) também firmam o Manifesto que convoca todos os cozinheiros dos mais de mil municípios em que há incidência do bioma Cerrado a participarem desse movimento.

 “Ás vésperas do Dia Nacional do Cerrado, comemorado em 11 de setembro, pouco temos a comemorar", destaca Ana Paula Jacques, professora do IFB. "O modelo de desenvolvimento escolhido para o segundo maior bioma brasileiro aumentou as desigualdades sociais e econômicas. E tem se demonstrado ambientalmente insustentável", complementa. 

 Cajuzinho-do-cerrado, jatobá, castanha de baru, pequi, mangarito são os protagonistas em receitas doces e salgadas que revisitam tradições ou seguem a vanguarda da gastronomia. Com isso, os cozinheiros convidados demonstram que o Cerrado pode transitar por diversos tipos de restaurantes e conceitos. Os pratos também ganharam vida pelas lentes sensíveis do fotógrafo Rafael Facundo.

Com lançamento do livro previsto para outubro no IFB, o Cerrado é entendido além da biodiversidade nativa, ou seja, busca-se valorizar sua agrodiversidade. O conhecimento e tecnologias agregadas pelo homem que somente diante das condições existentes no bioma se tornam possíveis reproduzir.

O bioma Cerrado concentra 5% da biodiversidade do planeta. Estima-se que reste apenas 49% de sua área original. O restante já foi desmatado ou antropizado. Ao colocar o Cerrado no prato, a iniciativa pretende contribuir para reverter esse quadro desolador pois a biodiversidade é um dos principais elementos para um chef de cozinha. 

 

Fim do conteúdo da página