Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Portuguese Portuguese
pt Portugueseen Englishes Spanish
Página inicial > Espaço do Servidor > Notícias > Por trás do crachá: uma xícara de café que transborda a alegria de Dilminha
Início do conteúdo da página

Por trás do crachá: uma xícara de café que transborda a alegria de Dilminha

Criado: Quinta, 07 de Outubro de 2021, 07h09 | Publicado: Quinta, 07 de Outubro de 2021, 07h09 | Última atualização em Quinta, 07 de Outubro de 2021, 07h09 | Acessos: 457

Para chegar ao trabalho todos os dias no Plano Piloto, Dilma Augusto, a Dilminha, pega o ônibus com duas horas de antecedência e bate o ponto às 7h. No final da tarde, é hora de voltar para casa, em Planaltina, e mal sobra tempo: apenas prepara a comida para ela e o marido e se organiza para a rotina do dia seguinte.

Dilminha é copeira na reitoria do Instituto Federal de Brasília (IFB) e conhecida não só por fazer o melhor café das redondezas mas também por levar alegria onde passa. “Nossa, você faz milagre com o café daqui”, é apenas um dos milhares de elogios que a colaboradora recebe. 

Ela conta que, um dia, conversava com um servidor e ele perguntou o que ela fazia com o café da reitoria. Em resposta, ela disse que o café era igual, mas tinha um ingrediente ali fundamental: amor. “É só fazer com amor, né, Dilma?”, questionou o servidor, já respondendo à pergunta feita a ela. 

Mais que gostar de fazer café, Dilminha também ama o trabalho. “Eu gosto de café, falo mesmo. Se você não gosta da profissão que você é, pra mim não tá certo”, afirmou. “Se você não faz com amor, o ‘trem’ não sai bem feito.”

 

“Sou igual aqui e em qualquer lugar”

Casada há 35 anos, Dilma tem orgulho em dizer que tem um esposo maravilhoso, quatro filhos e seis netos. Mora próximo ao IFB Campus Planaltina e, inclusive, costuma fazer caminhadas ao redor da unidade como forma de autocuidado. Não importa o lugar onde esteja, ela sempre será a mesma: transbordando alegria por onde passa. 

“Já ouvi várias vezes alguns servidores falarem que nunca me veem triste. Se fico triste, eu guardo pra mim. Para o trabalho a gente não deve levar a tristeza, porque a gente transmite", contou. 

O segredo para uma vida mais leve e feliz está na dedicação que dá à família nos fins de semana. Apesar da casa vazia nos dias úteis, Dilminha gosta de viver no meio de gente e receber os filhos nos sábados e domingos de maneira segura. Além disso, é voluntária da Pastoral da Acolhida na igreja que frequenta: mede temperatura e dá boas-vindas.

 

Amor à vida

Há 10 anos no IFB, Dilminha se apaixonou pela reitoria, e parte da família também. A filha, atualmente formada em Pedagogia, fez estágio na Pró-Reitoria de Ensino (PREN) durante três anos. O IFB é nota máxima no recredenciamento do Ministério da Educação (MEC), e Dilminha fica muito feliz de fazer parte de tudo isso, com sua animação e carinho a todos. 

“O IFB fez muito na minha vida e na vida daqueles que não têm condições de pagar um curso”, declarou. Por trás do crachá, Dilminha ama viver a vida e não se arrepende de nada. “Peço a Deus para que meus filhos sejam iguais a mim: cada dia mais felizes, nunca abaixem a cabeça pra nada e não tenham medo”, finalizou. 

 

Por trás do crachá

Em comemoração ao Dia do Servidor, celebrado em 28 de outubro, o IFB fará uma série de reportagens para contar a história de colaboradores, servidores, professores e estagiários. Toda quinta-feira, você tem um encontro com a gente para conferir quem é esse servidor do IFB e os impactos positivos que ele causa no seu ciclo familiar e profissional. Saiba mais sobre a programação do Mês do Servidor Público neste link

registrado em:
Fim do conteúdo da página