Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Portuguese Portuguese
pt Portugueseen Englishes Spanish
Página inicial > Reitoria > Acompanhe as novidades sobre as pesquisas do IFB em Combate à Covid -19 
Início do conteúdo da página

Acompanhe as novidades sobre as pesquisas do IFB em Combate à Covid -19 

Criado: Sexta, 05 de Junho de 2020, 13h56 | Publicado: Sexta, 05 de Junho de 2020, 13h56 | Última atualização em Segunda, 15 de Junho de 2020, 13h19 | Acessos: 296

O desenvolvimento das pesquisas do Instituto Federal de Brasília (IFB) referente ao edital nº04, em apoio ao Combate à Covid -19, segue com dedicação, empenho e novas parcerias entre pesquisadores do Instituto e outras entidades. Nesta semana, os pesquisadores atualizaram o andamento das etapas de seus projetos e contaram como estão as atividades. Os projetos foram aprovados pelo Edital 04/2020 da Pró-reitoria de Extensão - PREX.

 

Respite - Ventilador Mecânico 

O professor  Pablo Lütkemeyer, coordenador do curso Técnico Subsequente em Eletromecânica, foi destaque em matéria no Portal G1, em entrevista sobre seu protótipo Respite. Um ventilador mecânico de rápida manufatura, em desenvolvimento colaborativo junto com a Universidade de Brasília (UnB). O grupo de trabalho é formado por estudantes, como Oscar, do curso de Automação; Dimitri, do Ensino Médio Integrado, ambos do IFB Campus Taguatinga. 

A equipe do IFB está trabalhando na parte mecânica, com o objetivo de atingir as determinações exigidas pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa). Entre as atividades estão a montagem da simulação; a programação do sistema; o acompanhamento do projeto e desenvolvimento; e a supervisão e usinagem das peças. Já o grupo da UnB está focado na parte de controle eletrônico do projeto.

"Para atender à velocidade necessária para o funcionamento do protótipo, tivemos de refazer o processo e assim tornar a movimentação mais rápida. Estamos finalizando o segundo protótipo, e a próxima etapa será produzir o modelo real", contou o professor Pablo, responsável pela pesquisa.

Até o momento, os protótipos foram produzidos em madeira para reduzir custos. Já o dispositivo "real" vai ser todo em acrílico para facilitar a limpeza.


Máscara Vesta

O professor Mauro de Oliveira Alencar dá aulas para o curso Técnico em Eletrônica no Campus Ceilândia e é o pesquisador pelo desenvolvimento dos testes para uso da máscara facial — Vesta, com nanotecnologia para filtragem do Covid -19.  O tema central da pesquisa é o ensaio não clínico e o ensaio clínico de novas tecnologias, voltado aos profissionais de saúde e segurança pública que estão na linha de frente do confronto contra o COVID-19.

A máscara Vesta será avaliada seguindo requisitos de segurança, conforme preconizado pela ABNT e Anvisa, por meio de avaliação dos materiais por inspeção visual, por testes de vibração — nos quais as máscaras não podem apresentar defeitos mecânicos e penetração através do filtro.

Neste momento, estão sendo realizadas as últimas revisões e alinhamentos. Também foi criado um comitê gestor do ensaio clínico, responsável pela gestão e andamento de todo o processo.

Serão vários coparticipantes, como os hospitais: HUB-UnB, HRAN, HB, HRL, HRC, dentre outros em Brasília; as Unidades de Pronto Atendimento (UPAS), em Goiânia; HC/Unicamp, em Campinas, e as tratativas seguem com hospitais nas cidades do Rio de Janeiro, Manaus e Fortaleza.

"Foram três semanas, aproximadamente, para fazer toda uma revisão crítica e detalhada do método do ensaio, ajuste de variáveis que serão avaliadas, delimitação de covariáveis e fechamento dos critérios de inclusão e exclusão, além da revisão dos instrumentos, para deixar o projeto mais preciso possível", explicou o professor Mauro.

A prioridade é de que o estudo seja realizado em um período de vinte dias, com duas semanas de acompanhamento, avaliação de follow-up, totalizando aproximadamente oito plantões de acompanhamento nesses quinze dias.

O cálculo amostral preliminar indicou aplicação do ensaio em 5700 profissionais de saúde em Brasília. Mas esses dados ainda serão revistos com base no estudo-piloto que será realizado no HRAN, após aprovação ética.

Para esta pesquisa ainda existe a possibilidade de fomento por meio de apoio da Capes e do Cnpq — os quais darão um horizonte sobre o alcance e o tamanho do ensaio.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página