Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Portuguese Portuguese
pt Portugueseen Englishes Spanish
Página inicial > Reitoria > Reajuste de bolsistas valoriza iniciativas de Pesquisa no IFB
Início do conteúdo da página

Reajuste de bolsistas valoriza iniciativas de Pesquisa no IFB

Criado: Quinta, 23 de Fevereiro de 2023, 07h22 | Publicado: Quinta, 23 de Fevereiro de 2023, 07h22 | Última atualização em Quinta, 23 de Fevereiro de 2023, 10h16 | Acessos: 1959
imagem sem descrição.

Novidade boa para quem é bolsista no Instituto Federal de Brasília. No dia 16 de fevereiro de 2023, o governo federal anunciou reajuste nas bolsas de pesquisa científica. Os valores, congelados há 10 anos, servem tanto para bolsas de pós-graduação, quanto de outros níveis de ensino, como os bolsistas no IFB de Graduação e de Ensino Médio. Estudantes do IFB serão beneficiados com o aumento das bolsas de pesquisa e inovação anunciados e bolsistas que atuam nos projetos vinculados aos programas de Iniciação Científica (Pibic) e Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (Pibiti), ao Programa Fábrica de Ideias Inovadoras (Fabin), ao Programa de Pesquisa Aplicada e Prática Profissional (Papp).

Reajuste das bolsas distribuídas para alunos do ensino médio e da graduação

  • Iniciação científica no ensino médio: de R$ 100 para R$ 300 (200%).
  • Formação de professores da educação básica: os valores atuais variam de R$ 400 a R$ 1.500 e serão reajustados de 40% a 75%, segundo o governo.
  • Bolsa-Permanência para alunos em vulnerabilidade nas universidades criadas em 2013 nunca foi reajustada. Os valores variam de R$ 400 a R$ 900 e serão reajustados em 55% a 75%.

Para a estudante de Biologia Saskia Aguiar, aluna do IFB Campus Planaltina, o aumento é motivo de comemoração, já que é bolsista de Iniciação Científica. "Vejo a produção científica um trabalho como qualquer outro. Com esse incentivo, nós, pesquisadores bolsistas, certamente nos sentimos estimulados a seguir com os projetos em desenvolvimento no IFB", explicou.

Segundo o governo, os reajustes custarão R$ 2,38 bilhões anuais aos cofres públicos. A verba virá dos ministérios da Educação e de Ciência e Tecnologia. 

Fonte: Agência Brasil

 

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página