Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Portuguese Portuguese
pt Portugueseen Englishes Spanish
Página inicial > São Sebastião > Campus  promove plantio de mudas e distribui para a comunidade
Início do conteúdo da página

Campus  promove plantio de mudas e distribui para a comunidade

Criado: Sexta, 27 de Novembro de 2020, 13h43 | Publicado: Sexta, 27 de Novembro de 2020, 13h43 | Última atualização em Sexta, 27 de Novembro de 2020, 13h43 | Acessos: 298

Mais um ciclo de atividades do projeto de extensão “Enfrentamento à violência contra as mulheres por meio do empoderamento e qualificação de profissionais viveiristas” encerrou nesta quinta-feira, 26 de novembro.

Desde meados de outubro com a chegada das chuvas, o Núcleo de Estudos Agroecológicos (NEA) promoveu o plantio de 60 mudas de árvores frutíferas e/ou do Cerrado no Campus São Sebastião. Espécies como pitangueira, jaqueira, gravioleira, ingá-de-metro, jatobá, biriba e outras passam a compor a paisagem do campus. Tradicionalmente, por meio do projeto de extensão, o campus promoveu nos últimos dois anos mutirões de plantio com a comunidade, mas, devido à pandemia, foi realizado apenas pelo NEA neste ano, com a coordenação da voluntária Eliana Soares Dantas, técnica em Meio Ambiente pelo IFB, e do professor Robson Caldas de Oliveira, diretor-geral do campus.

Mesmo com as limitações impostas pela crise sanitária, o NEA promoveu a também tradicional doação de mudas para a comunidade, que geralmente ocorria na cerimônia de encerramento das turmas do Curso de Formação Inicial e Continuada em Viveiricultora. Neste ano, foi realizada num formato diferente: a comunidade manifestou interesse via formulário e foi agendada a retirada em dias específicos, para evitar aglomerações, de 3 mudas por pessoa. Foram atendidas 103 pessoas no total. Além das árvores frutíferas e florestais, foram doadas mudas de plantas medicinais e espécies ornamentais, tanto oriundas do Cerrado quanto exóticas.

A receptividade da comunidade à ação foi extremamente positiva e, mesmo com as restrições do momento, o projeto pode contribuir para a arborização do campus e estimular a conservação do Cerrado na comunidade.

Fim do conteúdo da página