Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Portuguese Portuguese
pt Portugueseen Englishes Spanish
Página inicial > Planaltina > Lançado projeto que pretende recuperar o Rio São Bartolomeu
Início do conteúdo da página

Lançado projeto que pretende recuperar o Rio São Bartolomeu

Criado: Terça, 24 de Agosto de 2010, 16h00 | Publicado: Terça, 24 de Agosto de 2010, 15h58 | Última atualização em Quinta, 05 de Dezembro de 2013, 10h22 | Acessos: 2333

Foi lançado na manhã desta terça-feira, 24, no Campus Planaltina do Instituto Federal de Brasília (IFB), o projeto Rio São Bartolomeu Vivo.

Cerca de 120 crianças de escolas públicas, que ficam em comunidades localizadas na Bacia Hidrográfica do São Bartolomeu, participaram do evento. O projeto pretende recuperar áreas degradadas replantando, principalmente, as margens do rio.

 

O projeto é da Fundação Banco do Brasil e da Funatura. O IFB participa fornecendo mudas e capacitação. De acordo com o presidente da Fundação Banco do Brasil, Jorge Estreit, “o IFB tanto vai executar o projeto, como também terá um papel didático”. Ele afirma que muitos técnicos, que serão formados pela instituição, terão conhecimentos específicos sobre essa região do São Bartolomeu.

 

 

No Campus Planaltina será instalado um viveiro, com capacidade para produzir 75 mil mudas. Está unidade uncionará como viveiro escola. Ali serão capacitados membros das comunidades da Bacia Hidrográfica do São Bartolomeu.

 

Para a professora Elisa Pereira, que atua no curso de Tecnólogo em Agroecologia do IFB, o viveiro será útil não apenas na produção de mudas, mas também “vvi ser bom para as aulas práticas de extensão e capacitação de agricultores da região”. Os alunos do IFB devem utilizar o espaço para aulas. Há, ainda, a previsão de desenvolvimento de projetos de pesquisa nas novas instalações.

 

 

Ao falar sobre a participação do IFB no projeto, o reitor do Instituto, Aléssio Trindade, afirmou que a instituição não está fechada e tem a sensibilidade do respeito aos direitos humanos. “Não somos e não seremos uma instituição fechada”, declarou.

 

Fim do conteúdo da página