Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Portuguese Portuguese
pt Portugueseen Englishes Spanish
Página inicial > Recanto das Emas > Peça “Totonha” é encenada no Campus Taguatinga Centro
Início do conteúdo da página

Peça “Totonha” é encenada no Campus Taguatinga Centro

Criado: Segunda, 28 de Novembro de 2011, 12h38 | Publicado: Segunda, 28 de Novembro de 2011, 12h38 | Última atualização em Quinta, 05 de Dezembro de 2013, 10h22 | Acessos: 2604

Servidores e estudantes do IFB na peça Estudantes do Curso Técnico em Comércio, do Campus Taguatinga Centro, assistiram na sexta-feira, 25, à peça “Totonha”, de Marcelino Freire, encenada por servidores da Instituição no auditório dessa unidade do IFB. A apresentação foi organizada e dirigida pela professora Jane Christina Pereira, responsável pela disciplina de Português, do primeiro módulo do curso de Comércio.

A interpretação ficou a cargo de dois servidores e um aluno do IFB. O auxiliar de serviços gerais, Luiz Phelipe Santana Santos ficou com o papel de Totonha, a também auxiliar de serviços gerais Francisca Maria Marques da Silva interpretou uma professora e o estudante, do primeiro módulo de Comércio, Elias do Nascimento Melo Filho cuidou da trilha sonora, apresentando, no final da peça, músicas ao violino.

Luiz Phelipe diz que ensaiou com a professora de Português e, principalmente, em casa, sozinho. “Foi bom aprender a falar em público, perder a timidez. Fazendo a peça eu vi novos horizontes”, relata o servidor.

“Totonha”
A peça “Totonha”, do pernambucano Marcelino Freire, trata de como o povo pode ver ou como vê a forma como os políticos - os governantes - tomam suas decisões e de que maneira estas influenciam na vida do povo. Totonha busca “cutucar” a respeito de como decisões são tomadas e implementadas, como projetos são decididos e colocados em prática, isso é feito mostrando as mazelas em que vive parte da população.

Filme
Além da peça, os estudantes assistiram ao filme brasileiro “Quanto Vale ou é por Quilo”, de 2005, do diretor Sérgio Bianchi. A película faz uma analogia entre o antigo comércio de escravos e a “exploração da miséria pelo marketing social”. O filme faz uma crítica às organizações não governamentais (ONG's) e suas formas de captação de recursos. (Matéria atualizada às 11h47 do dia 29, com a inclusão de foto)

Fim do conteúdo da página